Testosterona reduz risco de câncer de próstata agressivo – Evidence

Disque Evidence0800 280 4600

Suplementação

Testosterona reduz risco de câncer de próstata agressivo

Publicado em: 22/02/2018
Testosterona reduz risco de câncer de próstata agressivo

Um novo estudo científico chega para derrubar a ideia de que há ligação entre a terapia de reposição hormonal com testosterona e risco aumentado de câncer de próstata. Apresentado na reunião anual da American Urological Association, em San Diego, na California, nos Estados Unidos, o trabalho mostrou que não só não houve elevação do risco, como também os homens em tratamento durante mais um ano tiveram 50% menos chances de desenvolver uma forma agressiva da doença em comparação àqueles não tratados.

A pesquisa, conduzida por cientistas do Centro Médico Langone, da Universidade de Nova York, e do Centro de Câncer Laura e Isaac Perlmutter, na mesma cidade, é resultado da análise de registros médicos de mais de 231 mil homens. Foram utilizados dados do Registro Nacional de Câncer de Próstata e do Registro de Medicamentos Prescritos na Suécia. Dos 38.570 homens que desenvolveram câncer de próstata entre 2009 e 2012, 284 fizeram reposição hormonal antes do diagnóstico da doença, porém eles apresentavam fatores de risco.

O líder da pesquisa, Dr. Stacy Loeb, professor assistente de Urologia e Saúde da População na Universidade de Nova York e especialista em câncer de próstata, diz que, com base nos resultados, é possível orientar os médicos para que fiquem atentos aos pacientes que têm fatores de risco para câncer de próstata e estão em terapia hormonal. No entanto, não é preciso hesitar em prescrever o tratamento por medo de aumentar a probabilidade de surgimento do problema.

Suporte para avaliação médica

O urologista Márcio de Carvalho (CRM PR-12020) comenta que os resultados do estudo reforçam as vantagens da reposição de testosterona. “Os achados oferecem informações importantes para a avaliação do risco/benefício para homens com deficiência androgênica e que estão considerando o tratamento”, explica.

Um dos maiores estudiosos internacionais do tema, o norte-americano Abraham Morgentaler, mestre e doutor em Urologia e professor da Havard Medical School, tem a mesma opinião. “Agora está bem claro: não existe nenhuma relação entre níveis mais elevados de testosterona e câncer de próstata. Essa hipótese foi baseada em pesquisas mal interpretadas, conduzidas há mais de quatro décadas”, diz.

O especialista, que em 2011 publicou um trabalho sobre o assunto, ressalta que análises longitudinais anteriores já apontavam para tal evidência. “No estudo que fizemos há seis anos, os pacientes receberam reposição hormonal por um período médio de dois anos e meio, apesar de terem câncer de próstata em observação. Todos eles tiveram biópsias de acompanhamento da glândula, e nenhum sofreu progressão da doença”, relata.

Segundo o Dr. Márcio de Carvalho, os fatores que podem aumentar o risco do problema são idade (acima de 50 anos), raça (homens com ascendência africana são mais acometidos) e histórico familiar.

Fonte: Revista Longevidade em Foco / *Ano 5 *N9 *2017

Compartilhar

Notícias Relacionadas

Novembro Azul: a importância da conscientização e da prevenção no combate ao câncer de próstata.

Novembro Azul: a importância da conscientização e da prevenção no combate ao câncer de próstata.

Lactase: o que é e qual o papel dessa enzima no nosso organismo?

Lactase: o que é e qual o papel dessa enzima no nosso organismo?

Outubro Rosa – Autocuidado e Prevenção

Outubro Rosa – Autocuidado e Prevenção

Deixe uma resposta

Nossas lojas

São Paulo: Av. Onze de Junho, 134 – Vila Mariana – Fone: 11 5906–4040
Matriz: Rua Padre Valdevino, 1905 – Aldeota – Fonte: 85 3462–6565
Harmony: Av. Dom Luiz, 1233 – Loja 01 – Meireles – Fone: 85 3486–6496
Genesis: Rua Antônio Augusto, 1271 – Aldeota – Fone: 85 3226–8083

Disque Evidence

0800 280 4600

Receita via WhatsApp

Regiões Sul e Sudeste:

11 9 9937 6847

Regiões Centro-oeste, Nordeste e Norte:

85 9 9818 0076