Postado em 15/12/2020
Os perigos do uso de antibióticos para prevenir infecções do trato urinário
Os perigos do uso de antibióticos para prevenir infecções do trato urinário

As infecções do trato urinário são uma das infecções mais comuns e a grande maioria é tratada com antibióticos. Mas, quando usados ​​para prevenção e tratamentos repetitivos, eles representam um problema de saúde pública, pois seu uso excessivo leva ao surgimento de superbactérias resistentes a antibióticos. 2

Por conta disso, os cientistas estão trabalhando para encontrar outras alternativas para serem utilizadas no lugar dos antibióticos. Foi descoberto que ao evitar que as bactérias se fixem no revestimento do trato urinário, é possível tratar e prevenir as infecções, e também uma maneira de reduzir o uso excessivo de antibióticos.

O Cranberry contém moléculas que inibem a ligação bacteriana em todo o trato urinário, assim prevenindo as possíveis infecções que podem ocorrer. 

Uma nova maneira de tratar e prevenir infecções do trato urinário

A grande maioria das infecções do trato urinário é causada pela bactéria E. coli. 5,6 Para que essas bactérias levem a uma infecção, elas precisam ser capazes de aderir às células que revestem a bexiga ou a uretra. 3,5,6 As cepas de E. coli desenvolveram um conjunto de moléculas de adesão na superfície celular, que se prendem no tecido.3-5,7

Uma vez aderidos, as bactérias começam a se reproduzir, o que causa inflamação e produz os sintomas típicos de uma infecção do trato urinário: queimação, dor e sensação de urgência para urinar. Se a infecção acabar nos rins, pode causar febre, calafrios e dor lombar. 1

O tratamento médico atual para essas infecções envolve principalmente antibióticos que destroem as bactérias (ou impedem sua reprodução). 6,8 Mas o seu uso excessivo criou um novo problema: a resistência aos antibióticos. 6,9 Eles não podem matar todos os organismos em uma infecção, e aqueles que sobrevivem desenvolvem resistência ao medicamento, e a medida que se reproduzem, eles dão origem a novas populações que também são resistentes.

Cranberries bloqueiam a aderência bacteriana  

Por mais de 45 anos, estudos em humanos demonstraram a eficácia dos produtos de cranberry na prevenção de infecções do trato urinário.

Os suplementos de cranberry reduzem a adesão bacteriana, independentemente da cepa específica ou da resistência bacteriana aos antibióticos.

Vários estudos demonstraram os quão eficazes as proantocianidinas são na redução da viscosidade bacteriana. Um estudo descobriu que o pó de cranberry de frutas inteiras diminuiu o número de bactérias que aderem às células que revestem o trato urinário de 6,9 para apenas 1,6 organismos.27

Em outro estudo usando microscopia de força atômica, os cientistas deram a voluntários humanos uma dose de suco de cranberry, depois obtiveram amostras de urina e as aplicaram diretamente nas células bacterianas de E. coli em cultura. 29   Após duas horas foi analisada a urina coletada e foi visto a redução da viscosidade bacteriana a níveis inferiores, e a viscosidade continuou a cair durante todo o teste de oito horas.

Este estudo demonstrou que os componentes do suco de cranberry entram rapidamente na urina e quase imediatamente levam a uma diminuição da viscosidade das bactérias que causam infecções. 29

O cranberry também muda a forma e a estrutura das bactérias, tornando-as menos funcionais. 22,31 E podem reduzir a capacidade da bactéria de formar um “biofilme, que é uma espuma rica em muco que se forma em superfícies como cateteres urinários. 33,34,36 Isso pode reduzir o risco de infecções graves do trato urinário causadas por equipamentos médicos.

Esse tratamento, especialmente em cápsulas, não apresenta interações medicamentosas significativas ou efeitos colaterais. 21,38

COMPREENDENDO AS INFECÇÕES DO TRATO URINÁRIO

As mulheres têm uma chance ao longo da vida entre 40 e 50% de ter pelo menos uma infecção do trato urinário; seu risco é 50 vezes maior do que em homens. 25  Quando as recorrências acontecem com mais frequência do que duas vezes em seis meses, ou três vezes em um ano, geralmente são iniciados antibióticos preventivos. 21Uma infecção do trato urinário é qualquer infecção dos componentes do sistema urinário que produzem, armazenam e excretam a urina.

Nem todas as infecções do trato urinário são iguais. O tipo mais simples é uma infecção limitada à bexiga urinária. Essa “infecção da bexiga”, ou cistite, produz dor ao urinar, junto com a necessidade de urinar com frequência e urgência. Alguns pacientes também sentem dor abdominal baixa.

Uma infecção renal (pielonefrite) é uma infecção muito mais séria, envolvendo o tecido renal produtor de urina. As infecções renais geralmente causam todos os sintomas de uma infecção da bexiga, junto com febre, calafrios, mal-estar e dor lombar. Essas infecções geralmente surgem de uma simples infecção da bexiga e representam o risco de sepse.

Os homens também podem desenvolver infecções bacterianas da próstata, chamadas de prostatite bacteriana aguda ou crônica.

Independentemente do tipo ou localização da infecção do trato urinário, a grande maioria é causada por cepas virulentas da bactéria E. coli, que  a se originam na matéria fecal. Porém, simplesmente contaminar o trato urinário com esses organismos não é suficiente para iniciar uma infecção.

Os germes devem primeiro aderir firmemente ao revestimento do trato urinário. Bloquear essa ligação é, portanto, o principal alvo dos desenvolvedores de medicamentos, e os suplementos de cranberry produzem um tipo idêntico de bloqueio de adesão com menos efeitos colaterais e nenhum risco de resistência aos antibióticos.

Resumo

Infecções do trato urinário afetam milhões de americanos, predominantemente mulheres. 1 Quase 20% das mulheres que tiveram uma infecção do trato urinário terão outra e esse risco aumenta a cada infecção, de forma que uma mulher que teve três infecções do trato urinário na vida tem 80% de chance de desenvolver uma quarta infecção . 44 Essas mulheres (e os poucos homens com problemas semelhantes) são frequentemente colocadas em terapia preventiva com antibióticos para reduzir a chance de outra recorrência.

Mas o tratamento com antibióticos apresenta grandes riscos para o indivíduo e para a saúde do público. O tratamento repetido produz organismos resistentes aos medicamentos, que são muito mais difíceis de tratar com o passar do tempo.

Os suplementos de cranberry de frutas inteiras são reconhecidos por bloquearem a ligação bacteriana aos revestimentos do trato urinário, e seu perfil de segurança está bem estabelecido. Suplementos concentrados evitam o excesso de açúcar e dores de estômago ocasionais que podem ser causados ​​pelo suco de cranberry.

Suplementos com pelo menos 36 mg de proantocianidinas de cranberry são reconhecidos por agências internacionais como sendo apropriados para uso na prevenção de infecções do trato urinário. 38   As preparações em cápsulas desses suplementos minimizam o risco de dores de estômago.

Se você tem ou está preocupado com infecções recorrentes do trato urinário, suplementar cranberry é fundamental. Procure um profissional de saúde!

 

Referências: https://www.lifeextension.com/magazine/2014/6/the-dangers-of-using-antibiotics-to-prevent-urinary-tract-infections

  1. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4457377/ . Acessado em 29 de junho de 2014.

  2. Moffett SE, Frazee BW, Stein JC, et al. Resistência antimicrobiana em infecções não complicadas do trato urinário em 3 DEs da Califórnia. Am J Emerg Med. Julho de 2012; 30 (6): 942-9.

  3. Hung CS, Bouckaert J, Hung D, et al. Base estrutural do tropismo de Escherichia coli para a bexiga durante infecção do trato urinário. Mol Microbiol. Maio de 2002; 44 (4): 903-15.

  4. Klein T, Abgottspon D, Wittwer M, et al. Antagonistas da FimH para o tratamento oral de infecções do trato urinário: do projeto e síntese à avaliação in vitro e in vivo. J Med Chem. 23 de dezembro de 2010; 53 (24): 8627-41.

  5. Hisano M, Bruschini H, Nicodemo AC, Srougi M. Cranberries e prevenção de infecção do trato urinário inferior. Clínicas (São Paulo). 2012; 67 (6): 661-8.

  6. Jiang X, Abgottspon D, Kleeb S, et al. Terapia antiaderente para infecções do trato urinário – um perfil PK / PD equilibrado provou ser a chave para o sucesso. J Med Chem. 24 de maio de 2012; 55 (10): 4700-13.

  7. Gouin SG, Wellens A, Bouckaert J, Kovensky J. Synthetic multimeric heptyl mannosides as potent antiadhesives of uropathogenic Escherichia coli . ChemMedChem. Maio de 2009; 4 (5): 749-55.

  8. Cusumano CK, Pinkner JS, Han Z, et al. Tratamento e prevenção da infecção do trato urinário com inibidores da FimH oralmente ativos. Sci Transl Med. 16 de novembro de 2011; 3 (109): 109ra15.

  9. Bosch FJ, van Vuuren C, Joubert G. Padrões de resistência antimicrobiana em infecções do trato urinário ambulatorial – a necessidade constante de revisar os hábitos de prescrição. S Afr Med J., maio de 2011; 101 (5): 328-31.

  10. Baral P, Neupane S, Marasini BP, Ghimire KR, Lekhak B, Shrestha B. Alta prevalência de resistência a múltiplas drogas em uropatógenos bacterianos de Katmandu, Nepal. BMC Res Notes. 19 de janeiro de 2012; 5: 38.

  11. Schwardt O, Rabbani S, Hartmann M, et al. Desenho, síntese e avaliação biológica de manosil triazóis como antagonistas da FimH. Bioorg Med Chem . 1 de novembro de 2011; 19 (21): 6454-73.

  12. Thankavel K, Madison B, Ikeda T, et al. Localização de um domínio na adesina FimH de fímbrias de Escherichia coli tipo 1 capaz de reconhecimento de receptor e uso de um anticorpo específico de domínio para conferir proteção contra infecção experimental do trato urinário. J Clin Invest. 1 de setembro de 1997; 100 (5): 1123-36.

  13. Abgottspon D, Ernst B. Avaliação in vivo de antagonistas da FimH – uma nova classe de antimicrobianos para o tratamento de infecção do trato urinário. Chimia (Aarau). 2012; 66 (4): 166-9.

  14. Zafriri D, Ofek I, Adar R, Pocino M, Sharon N. Atividade inibitória do suco de cranberry na aderência de Escherichia coli fimbriada tipo 1 e tipo P a células eucarióticas. Antimicrob Agents Chemother. Janeiro de 1989; 33 (1): 92-8.

  15. Valentova K, Stejskal D, Bednar P, et al. Biossegurança, status antioxidante e metabólitos na urina após o consumo de suco de cranberry desidratado em mulheres saudáveis: um estudo piloto duplo-cego controlado por placebo. J Agric Food Chem. 18 de abril de 2007; 55 (8): 3217-24.

  16. Di Martino P., Agniel R., David K, et al. Redução da adesão da Escherichia coli às células uroepiteliais da bexiga após o consumo de suco de cranberry: um estudo duplo-cego randomizado e controlado por placebo cruzado. World J Urol. Fevereiro de 2006; 24 (1): 21-7.

  17. Lavigne JP, Bourg G, Combescure C, Botto H, Sotto A. Evidência in vitro e in vivo de diminuição dependente da dose da virulência de Escherichia coli uropatogênica após o consumo de cápsulas comerciais de Vaccinium macrocarpon (cranberry). Clin Microbiol Infect. Abril de 2008; 14 (4): 350-5.

  18. Jass J, Reid G. Efeito da bebida de cranberry na adesão bacteriana in vitro e microbiota vaginal em mulheres saudáveis. Can J Urol. Dezembro de 2009; 16 (6): 4901-7.

  19. Howell AB, Botto H, Combescure C, et al. Efeito da dosagem sobre a atividade anti-adesão de Escherichia coli uropatogênica na urina após o consumo de pó de cranberry padronizado para o conteúdo de proantocianidina: um estudo multicêntrico, duplo-cego, randomizado. BMC Infect Dis. 2010; 10: 94.

  20. Tempera G, Corsello S, Genovese C, Caruso FE, Nicolosi D. Atividade inibitória do extrato de cranberry na adesividade bacteriana na urina de mulheres: um estudo ex-vivo. Int J Immunopathol Pharmacol. 2010 abr-jun; 23 (2): 611-8.

  21. Perez-Lopez FR, Haya J, Chedraui P. Vaccinium macrocarpon : uma opção interessante para mulheres com infecções recorrentes do trato urinário e outros benefícios à saúde. J Obstet Gynaecol Res. Agosto de 2009; 35 (4): 630-9.

  22. Lavigne JP, Bourg G, Botto H, Sotto A. Cranberry ( Vaccinium macrocarpon ) e infecções do trato urinário: modelo de estudo e revisão da literatura. Pathol Biol (Paris). Novembro de 2007; 55 (8-9): 460-4.

  23. Ermel G, Georgeault S, Inisan C, Besnard M. Inibição da adesão da bactéria Escherichia coli uropatogênica a células uroepiteliais por extratos de cranberry. J Med Food. Fevereiro de 2012; 15 (2): 126-34.

  24. Liu Y, Gallardo-Moreno AM, Pinzon-Arango PA, Reynolds Y, Rodriguez G, Camesano TA. O oxicoco altera as propriedades físico-químicas da superfície de E. coli e a adesão às células uroepiteliais. Colloids Surf B Biointerfaces. 1 de agosto de 2008; 65 (1): 35-42.

  25. Guay DR. Infecções do trato urinário e cranberry. Drogas. 2009; 69 (7): 775-807.

  26. Howell AB, Reed JD, Krueger CG, Winterbottom R, Cunningham DG, Leahy M. A-type cranberry proanthocyanidins and uropathogenic bacterial anti-adesion activity. Fitoquímica. Setembro de 2005; 66 (18): 2281-91.

  27. Gupta K, Chou MY, Howell A, Wobbe C, Grady R, Stapleton AE. Os produtos do oxicoco inibem a aderência de Escherichia coli p-fimbriada à cultura primária da bexiga e às células epiteliais vaginais. J Urol. Junho de 2007; 177 (6): 2357-60.

  28. Liu Y, Pinzon-Arango PA, Gallardo-Moreno AM, Camesano TA. Medidas de força de adesão direta entre E. coli e células uroepiteliais humanas em coquetel de suco de cranberry. Mol Nutr Food Res. Dezembro de 2010; 54 (12): 1744-52.

  29. Tao Y, Pinzon-Arango PA, Howell AB, Camesano TA. O consumo oral de coquetel de suco de cranberry inibe a adesão em escala molecular de Escherichia coli uropatogênica clínica . J Med Food. 2011 julho-agosto; 14 (7-8): 739-45.

  30. Gupta A, Dwivedi M, Mahdi AA, Nagana Gowda GA, Khetrapal CL, Bhandari M. Inibição da adesão de E. coli multirresistente a drogas por proantocianidina. Urol Res. Abril de 2012; 40 (2): 143-50.

  31. Johnson BJ, Lin B, Dinderman MA, Rubin RA, Malanoski AP, Ligler FS. Impacto do cranberry nas características da superfície celular de Escherichia coli . Biochem Biophys Res Commun. 19 de dezembro de 2008; 377 (3): 992-4.

  32. Laplante KL, Sarkisian SA, Woodmansee S, Rowley DC, Seeram NP. Efeitos de extratos de cranberry no crescimento e produção de biofilme de espécies de Escherichia coli e Staphylococcus. Phytother Res. Setembro de 2012; 26 (9): 1371-4.

  33. Wojnicz D, Sycz Z, Walkowski S, et al. Estudo da influência do extrato de cranberry Zuravit SOS ® nas propriedades de cepas uropatogênicas de Escherichia coli , sua capacidade de formar biofilme e suas propriedades antioxidantes. Fitomedicina. 15 de abril de 2012; 19 (6): 506-14.

  34. Sethi R, Govila V. efeito inibitório do suco de cranberry na colonização de espécies de Streptococci: um estudo in vitro. J Indian Soc Periodontol. Janeiro de 2011; 15 (1): 46-50.

  35. Feldman M, Tanabe S, Howell A, Grenier D. As proantocianidinas de cranberry inibem as propriedades de aderência de Candida albicans e a secreção de citocinas pelas células epiteliais orais. BMC Complement Altern Med. 2012; 12: 6.

  36. Reid G, Hsiehl J, Potter P, et al. O consumo de suco de cranberry pode reduzir o biofilme nas células uroepiteliais: estudo piloto em pacientes com lesão medular. Medula espinhal. Janeiro de 2001; 39 (1): 26-30.

  37. Huang Y, Nikolic D, Pendland S, Doyle BJ, Locklear TD, Mahady GB. Efeitos de extratos de cranberry e derivados de ácido ursólico em Escherichia coli fimbriada P , atividade COX-2, liberação de citocinas pró-inflamatórias e resposta transcricional de NF-kappabeta in vitro. Pharm Biol. 2009; 47 (1): 18-25.

  38. Sychev DA. Preparações de oxicoco na prática urológica: visão de um farmacologista clínico. Urologiia. 2011 novembro-dezembro (6): 97-8, 100-3.

  39. Bailey DT, Dalton C, Joseph Daugherty F, Tempesta MS. Um extrato concentrado de cranberry pode prevenir infecções recorrentes do trato urinário em mulheres? Um estudo piloto. Fitomedicina. Abril de 2007; 14 (4): 237-41.

  40. Jepson RG, Craig JC. Cranberries para prevenir infecções do trato urinário. Cochrane Database Syst Rev. 2008 (1): CD001321.

  41. McMurdo ME, Argo I, Phillips G, Daly F, Davey P. Cranberry ou trimetoprima para a prevenção de infecções recorrentes do trato urinário? Um ensaio clínico randomizado em mulheres mais velhas. J Antimicrob Chemother. Fevereiro de 2009; 63 (2): 389-95.

  42. Beerepoot MA, ter Riet G, Nys S, et al. Cranberries vs antibióticos para prevenir infecções do trato urinário: um ensaio randomizado duplo-cego de não inferioridade em mulheres na pré-menopausa. Arch Intern Med. 25 de julho de 2011; 171 (14): 1270-8.

  43. Rossi R, Porta S, Canovi B. Visão geral sobre infecções do trato urinário e cranberry em mulheres. J Clin Gastroenterol. Setembro de 2010; 44 Suplemento 1: S61-2.

  44. Disponível em: http://www.healthywomen.org/condition/urinary-tract-infections . Acessado em 29 de outubro de 2012.

  45. Schwardt O, Rabbani S, Hartmann M, et al. Desenho, síntese e avaliação biológica de manosil triazóis como antagonistas da FimH. Bioorg Med Chem. 1 de novembro de 2011; 19 (21): 6454-73.

  46. Sanchez-Patan F, B. Bartolome, et al. Avaliação abrangente da qualidade dos produtos comerciais de cranberry. Caracterização fenólica e bioatividade in vitro. J Agric Food Chem. 4 de abril de 2012; 60 (13): 3396-408.